O Visão Enfernal volta e a REvolta contra a Enfermagem como arte continua. A sua afirmação como ciência voltará a tomar lugar neste blogue, centrando a sua essência na divulgação da mais recente evidência científica.
comentar
publicado por Visao ENFernal, em 02.01.09 às 14:34link do post | favorito

No mês de Outubro de 2007, o Visão ENFernal apresentava um post sobre a tigeciclina, um antibiótico do laboratório Wieth que surgiu como alternativa no tratamento de infecções problemáticas por agentes resistentes. Hoje, iremos descobrir um pouco mais sobre este antibiótico.

Surge uma nova classe de antibióticos - as glicilciclinas. Dentro deste grupo insere-se o único antibiótico da classe disponível para consumo clínico, a tigeciclina, um inibidor da síntese proteica através da ligação às subunidades 30S dos ribossomas. Como um derivado das tetraciclinas, apresenta um largo espectro de acção, sendo eficaz sobre cocus gram positivos multiresistentes. O mesmo não se verifica no combate a infecções provocadas por pseudomonas e a sua acção contra Acinectobacter baumanii continua duvidosa.

A FDA aprovou a tigeciclina para o tratamento de infecções complicadas da pele e tecidos moles e infecções abdominais complicadas. Recentemente encontra-se em estudo a indicação da tigeciclina para o tratamento de pneumonias adquiridas da comunidade, apresentando uma taxa de sucesso de 90%, quando a levofloxacina apresenta eficácia na ordem dos 86%.

Segundo o laboratório, poderemos obter um espectro assim descrito:

  • Complicated skin and skin structure infections caused by Escherichia coli, Enterococcus faecalis (vancomycin-susceptible isolates only), Staphylococcus aureus (methicillin-susceptible and -resistant isolates), Streptococcus agalactiae, streptococcus anginosus group (includes S. anginosus, S. intermedius, and S. constellatus), Streptococcus pyogenes, and Bacteroides fragilis
  • Complicated intra-abdominal infections caused by Citrobacter freundii, Enterobacter cloacae, Escherichia coli, Klebsiella oxytoca, Klebsiella pneumoniae, Enterococcus faecalis (vancomycin-susceptible isolates only), Staphylococcus aureus (methicillin-susceptible isolates only), Streptococcus anginosus group (includes S. anginosus, S. intermedius, and S. constellatus), Bacteroides fragilis, Bacteroides thetaiotaomicron, Bacteroides uniformis, Bacteroides vulgatus, Clostridium perfringens, and Peptostreptococcus micros

 

Apresenta uma semi-vida de 42h, o que permite uma administração segura de 12 em 12h. Inicialmente é administrada uma dose de 100 mg via endovenosa, seguindo-se de perfusões de 50 mg. Em doentes insuficientes renais não é necessário ajuste da posologia (a excreção é predominantemente biliar e fecal), contudo em doentes insuficientes hepáticos Child Pugh C recomenda-se a dosagem de 25 mg em cada 12h.


A utilização deste antibiótico poderá provocar frequentemente náuseas, vómitos e diarreia. O perfil de reacções adversas é semelhante ao grupo das tetraciclinas, pelo que não deverá ser utilizado em menores de 18 anos nem durante a gravidez.

Quanto ao modo de preparação, salienta-se o quadro seguinte retirado do site da Wieth:

(clicar na imagem para ampliar)

Para preparação deverá ser introduzido no frasco 5,3 ml de NaCL 0,9% ou Dextrose 5% para obtenção de uma solução com 10 mg/ml (não reconstituir com água bidestilada!) e diluir em 100 ml de SF ou Dextrose 5% (a concentração final não deverá ultrapassar de 1mg/ml). A perfusão do fármaco deverá ser efectuado num intervalo de 30 a 60 minutos.

Para mais informações, poderão ser consultados os links descritos na recolha de informação.


 

http://www.farmacia.com.pt/index.php?name=News&file=article&sid=4912

http://www.revista-api.com/2%20edicao%202006/pdfs/mat%2007.pdf

http://www.hc.ufmg.br/ccih/ap_encontro2007/estrat_tratamento_bact_multidroga_resistente.pdf

http://cc04-10.med.up.pt/Farmaco/Antibioticos.pdf

http://www.infectologia.org.br/default.asp?site_Acao=mostrapagina&paginaId=136&mNoti_Acao=mostraNoticia&categoriaId=6&noticiaId=98

http://www.wyeth.com/products_hcp?product=/wyeth_html/home/products/prescription/Tygacil%C2%AE%20(tigecycline)%20for%20injection/Tygacil%C2%AE%20(tigecycline)%20for%20injection_overview.html

http://www.infarmed.pt/prontuario/framenavegaarvore.php?id=16

http://www.wyeth.com/hcp/tygacil/dosing/reformulation

http://www.wyeth.pt/news/archive?nav=display&navTo=/wyeth_html/home/news/pressreleases/2005/1145587980184.html

http://www.wyeth.com/resources/minisites/tygacil/images/serum_profile.gif

http://www.wyeth.com/hcp/tygacil/dosing/administration

 


comentar
publicado por Visao ENFernal, em 02.01.09 às 12:13link do post | favorito

 

 

A subjectividade perante a dor é um facto mais que comprovado, contudo as diferenças sentidas atendendo ao género continuam uma incerteza. Há quem aponte que a dor sentida pelas mulheres é desvalorizada, enquanto outros defendem a maior capacidade no seu controlo por parte dos homens. Já um estudo realizado descreve mecanismos de analgesia fisiologicamente distintos entre ambos os sexos por alterações estruturais recentemente investigadas.

Utilizando como analgésico a morfina, obteve-se um resultado discrepante no alívio da dor entre os ratos machos e fémeas, uma vez que os machos apresentam maior sensibilidade à morfina por possuírem maior quantidade de receptores opióides no SNC. Neste sentido e segundo aponta o estudo, a morfina poderá provocar nas mulheres menor analgesia e maior quantidade de efeitos secundários, pelo que se existir alguma comparação possível entre os ratos e os humanos, será necessário repensar em novos mecanismos de analgesia para colmatar as necessidades das mulheres no controlo da dor.

 

In ScienceNOW Daily News 23 December 2008

 

«The new study used rats in part because they exhibit a clear sex difference in morphine sensitivity, explains lead researcher Anne Murphy, a neuroscientist at Georgia State University in Atlanta. In a standard lab test, for example, both male and female rats will withdraw a paw from a hot probe in 8 or 9 seconds. After a shot of morphine, the females might tolerate the probe for another second or two, but males let the paw linger up to 20 seconds, Murphy says.

 


 

In tomorrow's Journal of Neuroscience, Murphy and colleagues report that male rats have a higher density of μ-opioid receptors in a portion of the periaqueductal gray, a brain region implicated in previous experiments as a likely site of action for opioid drugs like morphine. Injecting morphine directly into this area had a powerful analgesic effect for male, but not female, rats. When the researchers killed neurons with μ-opioid receptors by injecting a toxin bound to a morphine lookalike compound, the drug lost its analgesic effect for males, but not females. Murphy says the findings, taken together, suggest that the difference in μ-opioid receptors in the periaqueductal gray explains the sex difference in morphine sensitivity in rats.

 

A better understanding of underlying neurobiology could one day lead to more effective pain drugs for women, Murphy says, adding that human studies have suggested that morphine produces less analgesia--and more side effects--in women.

 


 

"This is ... a breakthrough in finding a viable mechanism of action for sex differences in opiate analgesia in animals," says Richard Bodnar, a neuroscientist at City University of New York, Queens College. Other researchers have suggested that there may be sex differences in opioid receptor number or function in pain-related areas of the brain, but "this work is the first to definitively demonstrate such differences," says neuroscientist Rebecca Craft of Washington State University, Pullman.

Could it also explain differences in opioid sensitivity in people? "There are probably some parallels," says Craft, "but it's a bit early to tell how strong the relationship is between human and animal work in this area."»


http://www.jneurosci.org/cgi/content/abstract/28/52/14007

http://www.informationliberation.com/files/Morphine_sulfate2.jpg

http://sciencenow.sciencemag.org/cgi/content/full/2008/1223/2

http://meuslivros.weblog.com.pt/arquivo/pensar-12.jpg


mais sobre mim
Janeiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

12
14
15
16
17

18
19
20
22
24

25
26
27
28
29
31


links
pesquisar
 
blogs SAPO
subscrever feeds