O Visão Enfernal volta e a REvolta contra a Enfermagem como arte continua. A sua afirmação como ciência voltará a tomar lugar neste blogue, centrando a sua essência na divulgação da mais recente evidência científica.
comentar
publicado por Visao ENFernal, em 09.10.07 às 18:45link do post | favorito



A propósito da gestão do risco hospitalar, um estudo efectuado demonstra que a segurança dos doentes internados encontra-se comprometida por dois factores essenciais: o erro humano e os efeitos adversos da medicação administrada.

Os dados não são animadores e mesmo a  OMS e outros organismos competentes apontam para estimativas assustadoras: “um em cada 10 doentes é alvo de um problema assistencial”.

“As organizações prestadoras de cuidados de saúde, pela natureza da sua actividade, são uma área de risco por excelência” (Ordem dos Enfermeiros, 2005), daí tornar-se imperativa a descoberta dos agentes precipitantes da estatística apontada.

Relativamente à segurança do medicamento…

... ainda mais gravosas são as consequências das reacções adversas, que matam 106 mil doentes a cada ano que passa, e que em três quartos dos casos são perfeitamente evitáveis. Diante deste cenário, a Ordem dos Farmacêuticos salientou a necessidade de promover programas de gestão do risco hospitalar, envolvendo os hospitais, as empresas farmacêuticas, as distribuidoras e os profissionais.

Quanto ao erro humano…

…os mais recentes dados disponibilizados pela Autoridade Nacional do Medicamento e dos Produtos de Saúde (Infarmed) apontam para a ocorrência de sete mil mortes anuais devidas a erros relacionados com a utilização de fármacos em ambiente hospitalar, e de cerca de 20 mil óbitos por ano associados a outros erros médicos.

Os erros de medicação são uma das principais causas de morte e incapacidade, e segundo a ordem dos enfermeiros, “anualmente morrem mais pessoas devido a erros de medicação do que em acidentes de trabalho”. Assume-se de forma errónea que a segurança do doente compete quase exclusivamente ao Enfermeiro, contudo segundo a OE a vigilância por parte de enfermagem protege o doente de práticas inseguras (“um estudo demonstrou que os enfermeiros detectaram 86% de todos os erros de medicação por parte dos médicos, farmacêuticos e outros antes que os erros ocorressem”).


Quanto aos erros de medicação associados à Enfermagem, salientam-se:

  • Omissão da administração
  • Administração de dose imprópria
  • Medicação não autorização (prescrição inexistente)

Relativamente aos factores mais comuns associados ao erro:

  • Uso do nome errado do medicamento, da forma de dosagem ou abreviação
  • Erros de calculo de dosagem
  • Dosagem atípica ou incomum e crítica

A solução não passa na culpabilização do profissional, muitas das vezes ao erro de medicação encontra-se implícita disfunções organizacionais, condições de trabalho precárias e falhas graves no sistema. Muito pelo contrário, a OE aposta na comunicação do erro como “primeiro passo no processo de redução dos mesmos e na melhoria contínua da qualidade. […] A comunicação de retorno e a divulgação da informação podem sensibilizar e levar à compreensão dos erros que ocorrem no sistema e uma melhoria na sua estrutura de forma a reduzir ou eliminar os erros de medicação”.

 

Fontes de informação:

Ordem dos Enfermeiros (2005). Erros de medicação. [Documento WWW] URL: http://www.ordemenfermeiros.pt/images/contents/uploaded/File/medicacao.pdf

TEIXEIRA, C. (2007, Setembro). Erros de medicação ameaçam segurança no internamento
[Documento WWW] URL: http://www.farmacia.com.pt/index.php?name=News&file=article&sid=4657

 



comentar
publicado por Visao ENFernal, em 08.10.07 às 14:47link do post | favorito
Um grande boa tarde a todos!

Heis que derradeiramente me estreio no mundo dos blogs. Até hoje frequentava com bastante assiduidade aos blogs alheios, mais concretamente dos colegas de trabalho. Admito com veemência que nunca ponderei criar um blog, contudo surgiu a ideia de escrever pequenos artigos na net sobre assuntos de interesse pessoal. De entre todas as possibilidades possíveis, um blog seria certamente a mais fácil.

Chega a altura de me apresentar...
 
Sou Enfermeiro no serviço de Medicina 2 - unidade B do Hospital Geral de Santo António, EPE. Instituição que me acolheu há pouco mais de um ano, tendo antes exercido funções em vários serviços do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia, dentro dos quais na UCIM (Unidade de Cuidados Intermédios de Medicina), Medicina 3 e uma breve passagem pela recente Unidade de AVC´s.

Com muita pouca experiência profissional mas uma vontade imensa de aprender, abraço a minha profissão com bastante ânimo. Será que sempre quis ser Enfermeiro? Será uma resposta que possivelmente nunca saberei responder, mas concerteza sei afirmar que é o que neste momento quero Ser.
Numa época talhada de mudanças extremas, a Enfermagem não passa despercebida a todo o progresso ENFernal que se verifica correntemente, o que implica que haja necessidade acrescida pelos profissionais de saúde uma contínua melhoria das suas práticas, das suas competências e forma de estar.

Foi neste sentido que senti necessidade de criar este blog, um veículo de ponderação sobre a Enfermagem numa visão muito particular.

Despeço-me com a esperança de conseguir manter a "chama viva" por muito tempo.
sinto-me:

mais sobre mim
Novembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


links
pesquisar
 
blogs SAPO