O Visão Enfernal volta e a REvolta contra a Enfermagem como arte continua. A sua afirmação como ciência voltará a tomar lugar neste blogue, centrando a sua essência na divulgação da mais recente evidência científica.
comentar
publicado por Visao ENFernal, em 29.10.08 às 11:04link do post | favorito

 

 

Uma equipa liderada por David Bundle conduziu ao desenvolvimento de um composto capaz de minimizar os efeitos nefastos do tratamento de infecções por E.coli. A administração de antibióticos com vista ao tratamento de infecções provocadas por E.coli “Shiga-like” (capazes de produzir toxinas semelhantes à Shigella dysenteriae) tornam o corpo susceptível, uma vez que a lise celular liberta toxinas capazes de lesar as células do rim e provocar falência renal e o síndrome hemolitico-urémico (lesão vascular renal por uma endotoxemia aguda).

 

O PolyBAIT é um composto capaz de inibir o efeito prejudicial dessas toxinas, sendo uma arma promissora no combate a este tipo de infecções quando a terapêutica antibacteriana não garantia segurança ao doente:

 

University of Alberta

– Express News

 

"If you give [the patient] antibiotics the bacteria die and burst open, spilling their toxins," said Bundle, cautioning that if the E. coli toxin invades the kidney, the result can be fatal.

But Bundle and his colleagues-Pavel Kitov and Glen Armstrong-have created a drug that lashes the E.coli bacteria to a naturally-occurring protein molecule, preventing the E.coli from making contact with kidney cells.

The drug that acts like a lasso is called Polybait.

"Think of Polybait as piece of sticky string that wraps around the interface between the protein and the toxin," he said. "The surface of the toxin that kills kidney cells is drawn tightly against the surface of the protein and neutralizes it."

The molecules are held together long enough to be transported to the liver and eventually eliminated from the body.

 

HealthDay.Com

The inhibitor -- called (S)-PolyBAIT -- protected mice against the effects of a dose of a toxin produced by E. coli, said study principal author David Bundle, a chemistry professor at the University of Alberta, and colleagues, Agence France Presse reported.

The researchers said the inhibitor offers a more promising approach than antibiotics alone.

 

"Because antibiotic therapy alone is not used in practice because of the increased toxin load that results from toxin released by killed bacteria, such dual therapy may be an attractive option for the most severe E. coli infections," the researchers wrote, AFP reported.

 

O estudo não se fica por aqui, prometendo maiores avanços com o desenvolvimento deste modelo de actuação:

 

Advancing Chemical Sciences

 

'You could also address this to cholera toxin,' agrees Bundle. And because clustering of receptors can trigger cell death, he adds, he also hopes that drugs which establish multiple interactions between receptors could target cancer cells. His team are already working on a treatment for myeloma, a cancer which affects immune cells.


http://www.healthday.com/Article.asp?AID=620737

http://www.rsc.org/chemistryworld/News/2008/October/28100801.asp

http://www.expressnews.ualberta.ca/article.cfm?id=9716

http://news.smh.com.au/world/study-shows-potential-advance-in-fighting-e-coli-20081028-5af0.html

http://pt.wikipedia.org/wiki/Escherichia_coli

http://www.cve.saude.sp.gov.br/htm/hidrica/Ecolinet.htm

http://cache.daylife.com/imageserve/06Wn0MZgEPbAS/610x.jpg

 


comentar
publicado por Visao ENFernal, em 27.10.08 às 23:10link do post | favorito

 

 

 

Como quem diz “poin-of-care”.

 

 

À semelhança do que acontece com os doentes diabéticos, o doente hipocoagulado tem a possibilidade de monitorizar, de forma autónoma, os seus valores de TP/INR. De dependente de outrém, o doente hipocoagulado torna-se agente da gestão do seu regime terapêutico, quando até então lhe competia principalmente a toma adequada do hipocoagulante e a vigilância das complicações associadas ao tratamento. Um assunto de extrema importância para a Enfermagem (não esquecendo que a gestão do regime terapêutico é um fenómeno altamente sensível aos cuidados), também será para todos aqueles que se encontram dependentes das idas frequentes às instituições de saúde para colheita periódica de sangue, por forma a ser efectuado o esquema de hipocoagulação.

 

Com a introdução no mercado de aparelhos intuitivos, passíveis de serem utilizados no domicílio e que facultem aos hipocoagulados monitorizarem os valores de TP/INR, estamos a conferir-lhes maior qualidade de vida com a consequente descentralização da monitorização laboratorial. Por outro lado, a existência de um teste prático e rápido insere o doente hipocoagulado num patamar de vigilância bem superior, do mesmo modo como acontece com o doente diabético.

 

Inicialmente existiam rumores sobre a eficácia duvidosa do resultado destes testes rápidos, rumores esses que favoreciam os laboratórios privados que efecutavam testes coagulométricos. Contudo estudos efectuados comprovaram correlação positiva entre os testes coagulométricos convencionais e os testes por método de reflectância. Sobre este assunto, recomendo a leitura do estudo efectuado por um conjunto de investigadores do laboratório de Hematologia, serviço de patologia clinica do hospital de Santa Maria e da Escola Superior de Tecnologia e Saúde de Lisboa:

 

Comparação de valores de INR obtidos por metodo convencional e metodologia point-of-care

 

O equipamento em questão é do laboratório Roch, tem o nome de CoaguCheck® e em tudo é muito semelhante aos já sobejamente conhecidos equipamentos de avaliação de glicemia capilar. Utiliza tiras cuja superfície possui uma zona de reacção onde é inserida uma gota de sangue capilar, extraída após picada do dedo através de uma lanceta. Uma vez avaliado o valor, o doente entra em contacto com o seu serviço de hematologia para que lhe seja informado sobre o esquema de administração de medicação a cumprir.

 


 

http://www.poc.roche.com/poc/rewrite/generalContent/en_US/article/POC_general_article_72.htm

http://www.poc.roche.com/en_US/image/IMG_7188.JPG

http://www.life-tec-ruhr.de/global/images/bereiche/biomems_neu.jpg

http://www.cambridgeconsultants.com/images/gallery/diagnostic_report_01.jpg

http://www.mni.pt/revista/index.php?file=revista-artigo&cod=82

http://www.hemorreologia.com/public/index.php?option=com_docman&Itemid=0&task=docclick&bid=81&limitstart=0&limit=20


comentar
publicado por Visao ENFernal, em 09.10.08 às 23:52link do post | favorito

 

 

A detecção precoce de fetos portadores de anomalias cromossómicas, como é o caso do Síndrome de Down, é possível através de técnicas invasivas dispendiosas. Uma destas, sobejamente conhecida, é a amniocentese. Com uma taxa de sucesso que ronda os 99%, não se encontra isenta de riscos, contudo uma equipa de investigadores descobriu uma técnica capaz de prever com alta precisão, casos de Trissomia 21 sem recorrer a técnicas tão invasivas e associado a custos mais moderados:

By Jocelyn Kaiser

 

Science

NOW Daily News

6 October 2008

 

«A technology guru may have solved a problem that has long vexed obstetricians: how to test for Down syndrome without poking a needle into the womb. By sequencing the fetal DNA floating in a mother's blood, bioengineer Stephen Quake's team at Stanford University in Palo Alto, California, detected nine cases of the disease with 100% accuracy. If this small study holds up in larger trials, the test could become routine for expectant mothers.

 

[...]

 

Quake's team tried a brute-force approach to circumvent this problem: They put maternal blood samples through a DNA-sequencing machine. Although the researchers only sequenced about 2% of the mother's and fetus's genome, this was enough data to distinguish levels of chromosome 21 in mothers carrying a Down syndrome baby from those with a normal fetus as early as 14 weeks. In all nine Down syndrome cases tested but not six normal cases, this ratio was greater than one--indicating that the condition was present. The technique also detected three cases of other chromosomal disorders that lead to abnormal development, Quake's group reports online today in the Proceedings of the National Academy of Sciences


http://sciencenow.sciencemag.org/cgi/content/full/2008/1006/3

http://laboratoriogene.info/DXPN/gravidezsmall.jpg

http://3.bp.blogspot.com/_mJbrUErS-9M/R7tV_X3kujI/AAAAAAAAAgk/VPia3yJCWvk/s1600/foto_aminiocentese.jpg

 


comentar
publicado por Visao ENFernal, em 06.10.08 às 22:23link do post | favorito

 

Agora já é possível diminuir o nº de injecções nas crianças que cumprem com o PNV. Foi aprovada a distribuição da Pentacel, uma espécie de vacina 5-em-1 capaz de imunizar as crianças contra difteria, tétano, pertussis, poliomielite e Haemophilus influenzae tipo B.

É administrada desde os 15-18 meses até aos 4 anos, num total de 4 vacinas distribuidas por esse período.

No leque de reacções secundárias, salientam-se o rubor no local de injecção, sensibilidade, tumor e febre. Em casos mais graves poderá provocar anafilaxia, pelo que a sua administração deverá ser efectuada por pessoal habilitado.

 


http://www.cbsnews.com/stories/2008/06/24/health/webmd/main4205941.shtml

 

http://include.nurse.com/apps/pbcs.dll/article?AID=/20080901/ALL03/80825002/-1/section

http://www.realclearreligion.com/index_files/page42_blog_entry333_summary_1.jpg

http://www.farmacia.com.pt/modules.php?op=modload&name=News&file=article&sid=5901

 

tags:

comentar
publicado por Visao ENFernal, em 06.10.08 às 14:31link do post | favorito

 

Fonte: Ciência hoje (http://www.cienciahoje.pt/index.php?oid=27915&op=all)

«Cientistas japoneses descobriram o mecanismo que leva um tumor primário a gerar metástases no pulmão, indica um estudo hoje publicado pela revista científica britânica Nature Cell Biology.

O tumor primário prepara o pulmão para a sua invasão através de quemoquinas, substâncias inflamatórias que invadem o tecido pulmonar e guiam a migração das células cancerígenas para esse órgão, onde se agrupam em metástases.

Além disso, a equipa de investigadores japoneses da Tokyo Women's Medical University School of Medicine descobriu que os tumores primários também fazem com que as células do pulmão produzam um factor químico adicional, o serum amilóide A3 (SAA3).

Este factor acelera o recrutamento de células tumorais primárias ao activar os genes implicados na inflamação e ao estimular a produção de quemoquinas.

Numa experiência com ratinhos de laboratório, os investigadores conseguiram reduzir "significativamente" as metástases do pulmão através do bloqueio do SAA3 e dos seus receptores.

Neste sentido, consideraram que a descoberta poderá contribuir para o desenvolvimento de fármacos que impeçam a expansão do cancro.

Por outro lado, acrescentaram, abre pistas para entender como é que as células cancerígenas podem estabelecer novos tumores em lugares distantes do tumor inicial.»

 


http://images.publicradio.org/content/2008/05/27/20080527_lung_cancer_33.jpg


mais sobre mim
Outubro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
28
30
31


links
pesquisar
 
blogs SAPO
subscrever feeds