O Visão Enfernal volta e a REvolta contra a Enfermagem como arte continua. A sua afirmação como ciência voltará a tomar lugar neste blogue, centrando a sua essência na divulgação da mais recente evidência científica.
comentar
publicado por Visao ENFernal, em 20.04.08 às 12:22link do post | favorito

A respeito de um post efectuado recentemente no Visão ENFernal, do qual despertaram algumas dúvidas pertinentes, surgiu recentemente uma recomendação da American Heart Association sobre os procedimentos a ter em conta na abordagem do "leigo" no pré-hospitalar ao doente vítima de PCR.
Essas mesmas recomendações surgiram com o nome de "Hands-Only in CPR":




When an adult suddenly collapses, trained or untrained bystanders – that means a person near the victim – should:

1) Call 911
2) Push hard and fast in the center of the chest.

Studies of real emergencies that have occurred in homes, at work or in public locations, show that these two steps, called Hands-Only CPR, can be as effective as conventional CPR. Providing Hands-Only CPR to an adult who has collapsed from a sudden cardiac arrest can more than double that person’s chance of survival.

A mensagem principal que esta Associação pretende transmitir é a de que "fazer algo é sempre melhor do que não fazer nada", desmistificando a ideia de que certos actos poderão causar malefícios acrescidos à vítima. Por outro lado, concluiu-se que a respiração "boca-a-boca" não só constituía um factor preponderante para justificar a inércia das pessoas que abordam a vítima para prestar socorro imediato, como também não garante benefício durante as manobras de reanimação.

Convém reforçar que estas recomendações encontram-se direccionadas para as pessoas que testemunham e prestam o socorro imediato à vítima, não se encontrando adequadas às que apresentam conhecimentos e prática em reanimação, bem como a profissionais de saúde. A estes, compete-lhes cumprir de forma escrupulosa o algoritmo de SBV/SAV.

A informação científica relativa a este assunto, bem como o estudo efectuado,
encontra-se disponível neste link (clicar para aceder)


http://medscapenursing.blogs.com/medscape_nursing/2008/04/new-cpr-guideli.html
http://www.medscape.com/viewarticle/572238
http://handsonlycpr.eisenberginc.com/
http://circ.ahajournals.org/cgi/reprint/CIRCULATIONAHA.107.189380v1
http://client.apptomix.com/websites/religiousinstitutions/Bea_Schultz_10516/images/6161helpinghand.jpg



comentar
publicado por Visao ENFernal, em 17.04.08 às 23:25link do post | favorito

 

 

Virando as atenções novamente para a Enfermagem, o Visão ENFernal apresenta um artigo sobre um assunto polémico – os métodos de confirmação do posicionamento da SNG.


 

É notória a ambiguidade que se assiste nesta matéria, o que torna este assunto problemático, já que coloca a segurança do doente em jogo, uma vez que estudos demonstram que entre 13-20% das SNG inseridas em meio hospitalar encontram-se mal posicionadas. As estatísticas não são concisas e dependem das realidades em que foram efectuadas, contudo sabemos que os métodos que são praticados não oferecem garantias de confirmação correcta do posicionamento das SNG.


 

Curiosamente, a fiabilidade do método de confirmação é inversamente proporcional à frequência de aplicação do mesmo mas, para percebermos melhor este problema, é importante conhecer de que forma poderemos confirmar a correcta posição da SNG:


 
  • Insuflação do estômago com ar e palpação do epigastro: trata-se de um método pouco convincente e fora de uso, não devendo ser usado nem em adultos, nem em meio pediátrico.
 
  • O método da auscultação: talvez o mais recorrente na nossa realidade, dada a facilidade e rapidez com que é executado. Não exige dispêndio financeiro importante, pelo que é assumido como o método de cabeceira de eleição. Contudo estudos demonstram que a insuflação de ar através da SNG pode, num em 16 casos, indiciar falsos-positivos (nomeadamente em sondas posicionadas na zona do esófago, intestino e mesmo a nível das bases pulmonares).
 
  • Avaliação do pH: durante alguns anos foi vista como uma boa alternativa ao método radiológico, contudo estudos mais recentes demonstraram que, apesar de rápido, não garante com clareza o correcto posicionamento da SNG. Ao aspirar conteúdo com pH inferior a 5 poderemos concluir o correcto posicionamento da SNG, contudo o mesmo poderá acontecer em doentes com refluxo gastro-esofágico e com a ponta da SNG posicionada no esófago e em casos em que a mesma se encontre na zona do duodeno. Além disto, em doentes a tomar inibidores da bomba de protões ou Antagonistas H2, o pH gástrico poderá rondar valores superiores a 5, tornando este método inútil.
 
  • Capnografia: acessível unicamente em unidades/serviços com disponibilidade de um capnógrafo, em que o mesmo é conectado à SNG para detectar o posicionamento da SNG na via aérea, através da percentagem de CO2 que é expirada. Em vários estudos é assumido como “gold standard procedure”, dada a elevada eficácia que possui, contudo trata-se de um método oneroso comparativamente aos restantes métodos de cabeceira. Um estudo de 2007 publicado no JAMA (Capnometry and Air Insufflation for Assessing Initial Placement of Gastric Tubes), efectuado numa amostra de 69 doentes, verificou-se que o método de auscultação consegue ter fiabilidade superior ao da capnografia, concluindo que nenhum método de cabeceira garante segurança ao doente que necessita de intubação nasogástrica.
 
  • Easy-CapTM : trata-se de um dispositivo colométrico que é conectado à ponta da SNG, mudando de cor quando detecta a presença de CO2, em situações em que a sonda se encontra inserida na árvore traqueo-bronquica. Trata-se de um método rápido e com uma eficácia que ronda os 100% segundo alguns estudos (os mesmos apontam para a necessidade de estudos mais aprofundados para comprovar a sua real fiabilidade).
 
  • Radiografia: o método radiológico é o menos disponível, o mais dispendioso, o menos efectuado mas… o único que garante com rigor o posicionamento da SNG.
 

É importante reflectir sobre estes aspectos, dado tratar-se de um procedimento usual em Enfermagem. Como Enfermeiros devemos zelar pela segurança do doente internado, como Enfermeiros poderemos ser responsabilizados pelos danos provocados pela incorrecta avaliação do posicionamento da sonda. A American Association of Critical-Care Nurses recomenda que a alimentação entérica via SNG só deve ser iniciada após confirmação radiológica, pelos motivos que já foram abordados.

 


http://www.jacn.org/cgi/content/abstract/17/2/195

http://ajcc.aacnjournals.org/cgi/content/full/16/6/544#T1

http://www.jacn.org/cgi/reprint/17/2/195.pdf

http://www.aacn.org/AACN/practiceAlert.nsf/Files/VOFTP/$file/Verification%20of%20Feeding%20Tube%20Placement%2005-2005.pdf

http://www.medscape.com/viewarticle/470693_1

http://www.ccmjournal.com/pt/re/ccm/abstract.00003246-200210000-00013.htm;jsessionid=LHCGG51KgpwpF7dwmS6ssqlT2Q1x6k8MD1s1WhRqPpx9VLyrJKPX!774718804!181195629!8091!-1

http://ajcc.aacnjournals.org/content/vol16/issue6/images/large/544figure.jpeg

http://i.pbase.com/u21/kepha/upload/37772163.09440072.jpg

http://www.icu-usa.com/tour/images/procedures/capnography_2.gif

http://syringesupplies.com/userimages/140cc-3ccluer.jpg


comentar
publicado por Visao ENFernal, em 10.04.08 às 18:51link do post | favorito

 

Muitos foram os recursos dispendidos para que se conhecesse uma droga eficaz, que garantisse a redução da mortalidade em doentes com sepsis grave. Vários foram os estudos efectuados desde 2003 até aos dias de hoje, que demonstram a veracidade deste resultado, contudo em Portugal continua (inexplicavelmente [?]) desconhecido. Mas é verdade, a perfusão de 96h de Drotrecogina alfa activada, ou também conhecida como Proteína C activada humana recombinada, garante uma redução em 25% da mortalidade em 28 dias nos pacientes com sepsis grave.


Trata-se de uma substância com efeitos anticoagulantes, anti-inflamatórios e fibrinolíticos, actuando sobre a cascata de coagulação (factores V e VIII) e evitando a disfunção orgânica, uma vez que “substitui” a Proteina “C” que nas situações de Sepsis se encontra deficiente - previne a “hipercoagulação” provocada pelas citoquinas inflamatórias

 

Estudos de 2006 apontam para que essa redução seja mais evidente, quanto mais cedo se diagnosticar e iniciar o tratamento com DrotAA:


 

Using an integrated database of five severe sepsis trials and appropriate statistical adjustments to reduce sources of potential bias, earlier treatment with DrotAA seemed to be associated with a lower risk-adjusted mortality than later treatment. These data suggest that earlier treatment with DrotAA may provide most benefit for appropriate patients.

 



 

Figura: Relação entre DrotAA e sobrevivência (clicar para aumentar)


Recentemente, num estudo publicado a 4 de Abril, identificou-se uma correlação entre os valores da Proteina C e a eficácia do tratamento com DrotAA/índice de sobrevivência, o que permitirá rentabilizar o potencial da Drotrecogina:


 

Based on systematic analyses of 11 variables measured in severe sepsis clinical trials, PC was the only variable consistently correlated with both DrotAA treatment effect and survival. Further study is needed to determine if longer infusions or higher doses of DrotAA would achieve the goal of normalizing PC in more patients with severe sepsis.

 


Apesar do risco acrescido de hemorragia, é uma arma a ponderar quando, durante anos, a antibioterapia e o suporte vital subsistiam como únicas alternativas.

 


 

http://ccforum.com/content/12/2/R45

http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-42302003000300013&script=sci_arttext

http://ccforum.com/content/10/3/R74/

http://www.sepsisnet.org/site/ssc_pdf/Pacote_24h/01_Administre_Drotrecogina_Alfa.pdf

http://www.emedix.com.br/not/not2003/03jul15inf-cif-sdf-sepse.php

ftp://ftp.spci.org/artigomes/abril2001.pdf

http://ccforum.com/content/figures/cc4909-1.jpg

http://i.cnn.net/money/2006/08/04/news/companies/ariad/biotech_fund.03.jpg

 

tags:

comentar
publicado por Visao ENFernal, em 08.04.08 às 22:48link do post | favorito




Esta foi a campanha elaborada pela American Academy of Neurology, a American College of Emergency Physicians,  e a American Heart Association/American Stroke Association com o objectivo de sensibilizar a população para o reconhecimento de sintomas de um potencial enfarte.  Enfermeiros a desempenhar funções a nível da emergência, colaboraram nesta campanha de nobre causa, utilizando sintomas-chave e conceitos fáceis de relembrar, auxiliando o discernimento da pessoa para o pedido de auxílio.

Mais informações, contactar o site
giveme5forstroke.


http://www.giveme5forstroke.org/images/GiveMe5Poster2.jpg

comentar
publicado por Visao ENFernal, em 04.04.08 às 18:49link do post | favorito

Investigadores do Arizona verificaram recentemente que é possível aumentar o risco de sobrevivência, numa situação de paragem cardíaca, se um novo algoritmo de SAV pré-hospitalar for adoptado.
Num estudo publicado no Journal of the American Medical Association, ao aplicar 200 compressões torácicas antes da desfibrilhação, numa situação de paragem cardíaca, permite aumentar significativamente o fluxo sanguíneo cerebral, triplicando a taxa de sobrevivência em pessoas afectadas:


  • Intervention  Instruction: for EMS personnel in MICR (minimally interrupted cardiac resuscitation), an approach that includes an initial series of 200 uninterrupted chest compressions, rhythm analysis with a single shock, 200 immediate postshock chest compressions before pulse check or rhythm reanalysis, early administration of epinephrine, and delayed endotracheal intubation.
  • Main Outcome Measure:  Survival-to-hospital discharge.
  • Results:  Among the 886 patients in the 2 metropolitan cities, survival-to-hospital discharge increased from 1.8% (4/218) before MICR training to 5.4% (36/668) after MICR training (odds ratio [OR], 3.0; 95% confidence interval [CI], 1.1-8.9). In the subgroup of 174 patients with witnessed cardiac arrest and ventricular fibrillation, survival increased from 4.7% (2/43) before MICR training to 17.6% (23/131) after MICR training (OR, 8.6; 95% CI, 1.8-42.0). In the analysis of MICR protocol compliance involving 2460 patients with cardiac arrest, survival was significantly better among patients who received MICR than those who did not (9.1% [60/661] vs 3.8% [69/1799]; OR, 2.7; 95% CI, 1.9-4.1), as well as patients with witnessed ventricular fibrillation (28.4% [40/141] vs 11.9% [46/387]; OR, 3.4; 95% CI, 2.0-5.8).
  • Conclusions:  Survival-to-hospital discharge of patients with out-of-hospital cardiac arrest increased after implementation of MICR as an alternate EMS protocol. These results need to be confirmed in a randomized trial.



http://jama.ama-assn.org/cgi/content/abstract/299/10/1158
http://include.nurse.com/apps/pbcs.dll/article?AID=/200
80329/ALL01/80327007/0/frontpage
http://www.babble.com/CS/blogs/strollerderby/2007/08/23-End/cpr.gif


comentar
publicado por Visao ENFernal, em 03.04.08 às 19:06link do post | favorito

o só pela importância extrema que tem no que toca a cuidados de Enfermagem, o controle da dor é um assunto que merece peculiar atenção, interferindo directamente na qualidade de vida do doente.

Os conhecimentos sobre a abordagem da dor, bem como as estratégias para o seu controle, têm vindo a actualizar-se intensivamente. Por este motivo, achei relevante "postar" no Visão ENFernal dois documentos relativamente recentes e que considero de leitura obrigatória:



comentar
publicado por Visao ENFernal, em 03.04.08 às 13:33link do post | favorito

 

À semelhança do que já se verifica com os opiáceos, a FDA aprovou a comercialização de um selo transdérmico cujo principio activo é um analgésico do grupo dos AINE´s.
O "diclofenac epolamine" a 1,3%, presente no "Flector patch" garante o alívio da dor em situações de contusões, entorses e traumatismos ligeiros.  A grande vantagem desta modalidade de tratamento é a possibilidade de haver controle da dor nas situações referidas, em doentes sem história de sensibilidade aos AINE´s mas que não toleram os efeitos gastrointestinais provocados quando administrados pela via entérica - contudo mesmo administrado pela via transdérmica, não é descartada a hipótese de provocar desconforto gástrico.
Mais informações sobre o produto e cuidados na administração do medicamento, consultar os sites:

www.nurse.com
http://www.flectorpatch.com/


http://farm1.static.flickr.com/109/295261204_98e37e3554_b.jpg

mais sobre mim
Abril 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

13
14
15
16
18
19

21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


links
pesquisar
 
blogs SAPO
subscrever feeds